Monara Marques
Facebook Twitter Instagram YouTube
Contato
SOBRE
Monara Marques
EIS O MELHOR E O PIOR DE MIM....

O meu termômetro, o meu quilate. Vem, cara, me retrate. Não é impossível. Eu não sou difícil de ler.

O infinito de Marisa Monte não é tão particular. Roubei, na cara dura, um trecho de sua genialidade pra explicar minha insignificância. É assim que eu me sinto com todo esse universo ao meu redor. Às vezes completa, às vezes só. Mas nunca parada. Com 18 anos, resolvi ser porta-bandeira do mundo. Girei, girei, até cair em Budapeste, uma cidade parecida comigo: completamente dividida. “Pluralista”, diriam os colegas das Relações Internacionais, meu primeiro curso universitário. Migrei pro Jornalismo antes que me alistassem a um guerra. Mal sabia eu que estava entrando em uma interminável batalha. Assim são os jogos de futebol, uma das minhas especialidades. Pra quem duvida, está tudo no meu currículo, que em nada combina com storytelling. Atuando na Publicidade, descobri que há um jeito bem mais legal de contar histórias. E é assim que pretendo compartilhar a minha.

Saiba mais

7.mai.2016
Compartilhe: Compartilhe Facebook Compartilhe Twitter Compartilhe Google Compartilhe Pinterest

Era 2015, quando ninguém ainda falava de Tocha Olímpica, mas eu já estava atrás da danada. Pesquisava aqui, acolá, até que encontrei um projeto que me soou interessante: desvendar os lugares por onde passaria e as pessoas que conduziriam a tocha um ano depois.

O resultado seria publicado em vídeos no YouTube e no hotsite da Nissan, uma das patrocinadoras das Olimpíadas Rio 2016 e idealizadora do projeto Rota da Tocha.

rota_da_tocha_nissan

O mote da campanha era Quem se atreve. Achei ousado e encarei como uma oportunidade única de, de alguma forma, participar das Olimpíadas Rio 2016, e, claro, de me aproximar da Tocha Olímpica, que, para muitos, é apenas um objeto que atrapalhou o trânsito da nossa cidade por alguns dias, para outros é a materialização do “pão e circo”, e para os governantes é um motivo a mais para gastar milhões que, sim, poderiam/deveriam ter sido aplicados em áreas muito mais importantes e carentes de investimento, como saúde, segurança e educação.

Claro, tudo isso é um absurdo! Mas muito mais pela forma como o processo foi conduzido do que necessariamente pela Tocha Olímpica, o símbolo maior de uma paixão de milhares, inclusive a minha.

monara_marques_evandro_gomes_rota_da_Tocha

Cinco equipes seriam selecionadas para fazer o registro do itinerário da tocha. Enviei meu currículo e, OMG!, entraram em contato. Pediram pra que enviasse um vídeo dizendo por que eu deveria ser selecionada. Minha razão era a emoção.

Conduzir a tocha era um sonho que eu tinha desde a infância, quando disputava todos os jogos internos do colégio imaginando que, quando chegasse à última série do ensino fundamental, eu seria a escolhida pra dar a volta olímpica no ginásio da escola. Era só a quadra do Instituto Maria Auxiliadora, mas pra mim era como se fosse o Estádio Panatenaico, da Grécia.

Quis o destino que esse sonho passasse também pelas mãos de meu pai, Evandro Gomes. Cronista esportivo há mais de 50 anos, ele foi um dos escolhidos para conduzir a tocha do Pan de 2007, também no Rio de Janeiro.

 
Foram essas as histórias que deram vida ao vídeo-currículo que enviei. Até a música tinha um porquê. Cats In The Cradle, de Harry Chapin, havia sido a trilha de um comercial da Nissan, pra mim, o melhor do Super Bowl 2015.

Curiosamente, o nome dessa campanha era With Dad, tudo a ver comigo e com meu pai. Uma produtora entrou em contato, perguntando sobre minha disponibilidade nos meses de agosto e setembro. Tinha uma viagem marcada (leia-se paga), justamente neste período, para os Estados Unidos, onde faria um curso de Business and Management Communication.

Enviei o vídeo-currículo diretamente para a Nissan, na esperança de conseguir uma nova data, afinal, cada turma sairia em um período diferente. Infelizmente, não tive mais retorno. Motivo: shit happens!

Se você curtiu minha história e acha que ainda assim mereço uma chance de conduzir a tocha olímpica, nem que seja em outra encarnação, dá um like. Vai que a esperança se reacende.

Monara Marques

Comunicação e Marketing
Veja também: